sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Espírito Santo, Amém!

Por Roberta Peixoto

Nunca tinha parado para pensar sobre a história do estado onde nasci, até que, numa conversa com um colega de trabalho, ele me deu uma "aula" sobre o assunto.
Seguem algumas curiosidades:

A colonização portuguesa no estado começou em 23 de maio de 1935, quando os colonizadores, chefiados por Vasco Fernandes Coutinho, chegaram à capitania do Espírito Santo, que foi batizada pelo donatário com esse nome, em homenagem à terceira pessoa da Santíssima Trindade, e desembarcaram da Nau Glória na região da prainha, próximo de onde hoje está situado o 38º Batalhão de Infantaria do Exército Brasileiro (em Vila Velha).

O local foi denominado de Vila do Espírito Santo (hoje Vila Velha, uma das cidades mais antigas do Brasil, com 473 anos de existência). No começo, era uma pequena vila, mas devido aos constantes ataques dos povos indígenas que ali residiam, Vasco Fernandes Coutinho resolveu fundar uma outra vila, desta vez em uma ilha, que era de relevo irregular, com muitas montanhas (ao contrário de Vila Velha que é plano), a fim de se proteger dos ataques indígenas.

A nova povoação recebeu o nome de Vila Nova do Espírito Santo (hoje Vitória, capital do estado). Alí começou de vez o povoamento da capitania. Mesmo tendo se isolado na ilha, as tribos indígenas não pararam de atacar, porém ajudados pelo relevo, os portugueses conseguiram expulsar os indígenas e rebatizaram o povoamento para o nome de Vitória.

O termo "Capixaba", segundo os estudiosos da língua tupi, significa roça, roçado, terra limpa para plantação. Os índios que aqui viviam, chamavam de capixaba sua plantação de milho e mandioca. Com isso, a população de Vitória passou a chamar de capixabas os índios que habitavam na região e depois o nome passou a denominar todos os moradores do Espírito Santo.

Já no início da colonização capixaba, surgiu o apelido "canela-verde". A versão mais aceita é de que o apelido foi criado pelos índios para os primeiros colonizadores, porque existia uma grande quantidade de algas marinhas na costa capixaba que manchava as calças e a canela dos portugueses quando desembarcavam. Há quem diga também que o apelido pode ter origem pelo costume português de se usar meias longas verdes.

Mais detalhes sobre os símbolos oficiais, população, mapas e várias outras informações, vocês encontram no site:
http://www.es.gov.br/site/home/index.aspx

Fonte: site do Governo do Estado do Espírito Santo

Um comentário:

Renata Nogueira disse...

Queria dar uma dica que tem a ver com esse post. É o livro "Karina" de Virgínia Tamanini. Um romance lindo que conta a história da imigração italiana para o ES. Gostoso de ler, com narrativa simples e clara. Adorei!